sábado, 11 de outubro de 2014

Responder antes de ouvir é estupidez e vergonha.

"Responder antes de ouvir é estupidez e vergonha." Provérbios 18:13
 
Pensamento: Salomão conhecia os efeitos devastadores de palavras inapropriadas. As palavras podem produzir vida ou morte ao nosso redor. Ninguém nesta terra compreendia melhor o poder das palavras do que Salomão. Todos aqueles que encontravam com Salomão ouviam palavras de consolo, de incentivo e de estimulo. Era exatamente por isso que as pessoas vinham de todos os lugares para falar com ele. E ele nos ensina que não devemos responder antes de ouvir, sem conhecer todos os detalhes da situação.


Oração: Pai querido, ajuda-me a refrear a língua, ensina-me usar a boca com sabedoria. Quero que as minhas palavras sejam edificantes na vida das pessoas ao meu redor. Perdoa pelas vezes que falei aquilo que não deveria. Eu oro em nome de Jesus. Amém.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Os 13 Estados onde haverá 2º turno para governador

Amapá

Com 100% da apuração concluída, Waldez Góes (PDT) e o atual governador, Camilo Capiberibe (PSB), tiveram 42,18% e 27,53% dos votos válidos, respectivamente. O candidato Lucas Barreto (PSD) ficou em terceiro, com 13,86% dos votos válidos no Estado. 

Amazonas

O senador Eduardo Braga (PMDB), que aparecia na frente nas pesquisas, vai disputar com o atual governador José Melo (Pros), que se recuperou e segue com chance de manter o cargo. A disputa entre eles foi acirrada. Com 99,88% das urnas apuradas, Braga tinha 43,13% dos votos válidos e Melo tinha 43,05%. Marcelo Ramos (PSB) ficou em terceiro com 10,95% dos votos.

Ceará

Eunício Oliveira (PMDB) e Camilo Santana (PT) vão disputar o cargo de governador do Ceará no segundo turno. Com 99,83% dos votos contabilizados, o petista obteve 47,8% dos votos válidos, enquanto seu adversário do PMDB recebeu 46,41%. Eliane Novais (PSB) ficou em terceiro com 3,39% dos votos.

Distrito Federal

Rodrigo Rollemberg (PSB) vai disputar o governo do Distrito Federal com Jofran Frejat (PR) no próximo dia 26. Com 100% dos votos apurados, Rollemberg ficou com 45,23% dos votos válidos. Frejat ficou em segundo com 27,97%. O candidato à reeleição Agnelo Queiroz (PT) teve apenas 20,07% e está fora do segundo turno.

Goiás

O governador Marconi Perillo (PSDB) e o candidato Iris Rezende (PMDB) vão para o segundo turno em Goiás. Com 100% das urnas apuradas, Perillo ficou com 45,86% dos votos válidos. O peemedebista, por sua vez, teve 28,40% do total. Em terceiro ficou Vanderlan Cardoso (PSB), com 14,98% dos votos válidos.

Mato Grosso do Sul

Delcídio do Amaral (PT) e Reinaldo Azambuja (PSDB) disputarão o cargo de governador do Mato Grosso do Sul no segundo turno. Com 100% dos votos apurados, o petista ficou com 42,92% dos válidos, contra 39,09%, de seu adversário. Nelsinho Trad (PMDB), que era o candidato do atual governador André Puccinelli, ficou em terceiro, com 16,42% dos votos.

Paraíba

Confirmando as pesquisas de intenção de voto para governador da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB) e Ricardo Coutinho (PSB) foram os mais candidatos votados e vão disputar o segundo turno. Com 100% das urnas apuradas, o tucano obteve 47,44% dos votos válidos. O candidato à reeleição Coutinho, do PSB, recebeu 46,08%. Em terceiro lugar, Vital do Rêgo Filho teve 5,22% dos votos.

Rio de Janeiro

O atual governador do Rio de Janeiro, Luiz Eduardo Pezão (PMDB), vai enfrentar no segundo turno o candidato Marcelo Crivella (PRB). Com 100% das urnas apuradas, Pezão teve 40,57% dos votos válidos. Crivella obteve 20,26% dos votos válidos. Garotinho (PR) ficou em terceiro, com 19,73% dos votos válidos. A diferença entre Crivella e Garotinho foi de menos de 43.000 votos.

Rio Grande do Norte

Henrique Eduardo Alves (PMDB) e Robinson Faria (PSD) vão disputar o governo do Rio Grande do Norte no segundo turno. Com 99,93% dos votos apurados, o atual presidente da Câmara dos Deputados teve 47,33% dos votos válidos. Seu adversário, o atual vice-governador do estado, recebeu 42,04%, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral. Robério Paulino ficou em terceiro lugar com 8,74% dos votos válidos.

Rio Grande do Sul

José Ivo Sartori (PMDB) e Tarso Genro (PT) vão disputar o segundo turno para governador do Rio Grande do Sul. Com mais de 100% das urnas apuradas, o peemedebista, que saiu da terceira posição nas pesquisas de intenção de voto, contou com 40,4% dos votos válidos. Genro, que tenta a reeleição, teve 32,57%. Ana Amélia Lemos ficou em terceiro lugar com 21,79% do total.

Rondônia

Confúcio Moura (PMDB) e Expedito Júnior (PSDB) vão disputar o segundo turno em Rondônia. Suas votações foram muito próximas: com 100% das urnas já apuradas, o peemedebista, que tenta a reeleição, contabilizou 35,86% dos votos válidos. Seu adversário tucano registrou 35,42% do total. Em terceiro lugar, Jaqueline Cassol (PR) teve 15,11% dos votos válidos.

Acre

A vitória de Tião Viana (PT) no primeiro turno, indicada inicialmente pela apuração, acabou não se concretizando. À medida que as últimas urnas eram contabilizadas, o governador e candidato à reeleição perdeu fôlego e vai ter que disputar o segundo turno com Márcio Bitar, do PSDB. Viana teve 49,73% dos votos válidos, contra 30,10% do adversário.

Roraima

Chico Rodrigues (PSB) disputa o governo com Suely Campos (PP), cuja candidatura foi confirmada pelo TRE-RR apenas na semana passada. Suely teve 100.973 votos (38,51%) e Chico recebeu 91.578 (34,93%) no primeiro turno.

Confira todos os governadores eleitos no primeiro turno A disputa em 13 Estados do país já foi definida na votação deste domingo

Alagoas - Renan Filho

Nascido na cidade de Murici, José Renan Vasconcelos Calheiros Filho (PMDB) é filho de Renan Calheiros, atual presidente do Senado. Ele disputou o governo do Estado ao lado de Luciano Barbosa, vice pelo mesmo partido. Renan Filho tem 34 anos e foi prefeito de Murici entre 2004 e 2012. Em 2010, foi eleito deputado federal. A vitória de Renan é resultado da aliança de Renan Calheiros (PMDB) e Fernando Collor de Melo (PTB).

Bahia - Rui Costa

Apesar do favoritismo inicial de Paulo Souto (DEM), o petista Rui Costa disparou quando as urnas foram abertas e venceu a eleição para o governo estadual no primeiro turno. Aos 51 anos, Costa alcançou uma vaga na Câmara dos Deputados e dois anos depois assumiu o cargo de secretário-chefe da Casa Civil do governo do Estado da Bahia. Nascido em Salvador, ele ajudou a construir a presença do PT no Estado como filiado do partido desde a década de 1980.

Espírito Santo - Paulo Hartung

Eleito em primeiro turno para o governo do Espírito Santo, Paulo César Hartung Gomes (PMDB), de 57 anos, vai exercer seu terceiro mandato no cargo – ele foi eleito governador do Espírito Santo em 2002 e reeleito em 2006. Hartung venceu o atual governador, Renato Casagrande (PSB), que foi eleito com seu apoio em 2010. O resultado das eleições marca o desmoronamento da aliança entre PMDB e PSB no Estado.

Maranhão - Flávio Dino

Com 46 anos, Flávio Dino de Castro e Costa se candidatou ao governo do Maranhão pelo PC do B ao lado de Carlos Brandão (PSDB). Advogado e professor da Universidade Federal do Maranhão, Dino foi secretário-geral do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), mas renunciou à carreira para entrar na política. Foi deputado federal pelo PC do B entre 2006 e 2010 e, em 2011, assumiu a presidência da Embratur, responsável pela promoção do turismo brasileiro no exterior. A vitória de Dino interrompe décadas de domínio do clã Sarney no Maranhão

Mato Grosso - Pedro Taques

Eleito para o governo de Mato Grosso, José Pedro Gonçalves Taques (PDT), de 46 anos, ficou conhecido em todo o país por ser o homem que mais recebeu ameaças de morte na história do Estado. Formado em direito pela Universidade de Taubaté, ele já exerceu o cargo de procurador da República, período em que fez várias denúncias contra o crime organizado. Taques pediu exoneração do cargo em 2010, quando se candidatou a senador e foi eleito.

Minas Gerais - Fernando Pimentel

Fernando Damata Pimentel, 63 anos, foi nomeado ministro do desenvolvimento, indústria e comércio exterior em 2011 e, anteriormente, foi prefeito da cidade de Belo Horizonte, no período entre 2003 e 2008. A vitória do candidato do PT em Minas – onde o candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, foi governador – é considerada a mais dura para os tucanos nas eleições estaduais de 2014.

Paraná - Beto Richa

Durante a campanha eleitoral, o atual governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), já era favorito à reeleição, graças ao fracasso da candidatura de Gleisi Hoffmann (PT) e a rejeição a Roberto Requião (PMDB). Sua vitória consolida a região, ao lado de São Paulo, como um reduto do PSDB no país, onde candidatos do PT não vencem. Antes de chegar ao governo estadual, Richa foi prefeito de Curitiba por dois mandatos, eleito em 2004 e reeleito em 2008.

Pernambuco - Paulo Câmara

Paulo Henrique Saraiva Câmara, de 42 anos, foi escolhido por Eduardo Campos, candidato à presidência pelo PSB falecido em agosto, para disputar o governo de Pernambuco. Economista, ele foi secretário de administração do governo de Pernambuco em 2007, do Turismo em 2010 e da Fazenda em 2011. Desde o período de campanha eleitoral, Câmara já era o favorito a ocupar o Palácio do Campo das Princesas. Um dos motivos da ascenção do candidato ao governo de Pernambuco foi o apoio de 21 partidos, o que lhe rendeu pouco mais de dez minutos de propaganda na TV.

Piauí - Wellington Dias

O bancário José Wellington Barroso de Araújo Dias (PT) tem 52 anos e disputou o cargo de governador do Piauí ao lado de Margarete Coelho, do mesmo partido. Nascido em Oeiras, no Piauí, Dias é formado em Letras pela Universidade Federal do Piauí e se especializou em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ele foi governador do Piauí por duas vezes, em 2002 e 2006. Após deixar o cargo, Dias foi eleito senador pelo mesmo Estado, cargo que ocupa desde 2011. Com a vitória no primeiro turno, ele vai exercer seu terceiro mandato como governador em 2015.

Santa Catarina - Raimundo Colombo

José Raimundo Colombo (PSD), de 59 anos, conseguiu a reeleição ao governo do Estado de Santa Catarina. Na década de 1990, Colombo foi prefeito da cidade catarinense de Lages e deputado federal. Em 2006, ele foi eleito senador e, depois, exerceu uma série de cargos, como diretor administrativo de telecomunicações de Santa Catarina e presidente da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento. Em 2010, foi eleito pela primeira vez governador de Santa Catarina.

São Paulo - Geraldo Alckmin

Geraldo Alckmin (PSDB), de 61 anos, chegou ao Palácio dos Bandeirantes como vice-governador na chapa de Mário Covas, que foi eleito governador em 1994 e reeleito em 1998. No último ano do segundo mandato como vice, assumiu o cargo de governador em virtude da morte de Covas, em março de 2001. Ele foi eleito governador pela primeira vez em 2006 e depois reeleito em 2010. Com sua vitória, o PSDB supera a marca de duas décadas na liderança do Estado mais rico e populoso do país.

Sergipe - Jackson Barreto

Jackson Barreto de Lima (PMDB), de 71 anos, foi reeleito como governador do Estado de Sergipe. Em 2010, ele havia sido eleito vice-governador na chapa de Marcelo Déda em 2010 e teve que assumir o cargo de governador em 2013, com a morte de Déda. Anteriormente, Barreto foi prefeito de Aracaju, capital de Sergipe, por duas vezes: ele foi eleito em pela primeira vez em 1985 pelo PMDB e em 1992 pelo PSB.

Tocantins - Marcelo Miranda

O empresário Marcelo de Carvalho Miranda (PMDB) nasceu em Goiânia, no estado de Goiás, e tem 52 anos. Miranda já foi eleito deputado federal por duas vezes na década de 1990. Ao vencer a eleição em 2014, ele exerce seu terceiro mandato como governador de Tocantins: ele foi eleito para o cargo em 2002, pelo PFL e, em 2006, quando foi reeleito pelo PMDB. Em 2010, Miranda foi eleito senador pelo mesmo Estado, mas estava inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Em 2011, decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) garantiu sua vaga no Senado.

quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Uma turma de socorrista pronta para qualquer ocorrência.



 Uma turma de socorrista  
pronta para qualquer ocorrência

·         O Socorrista é a pessoa treinada para prestar os primeiros-socorros; amenizando o sofrimento de outros no local da emergência.
·         O socorrista é treinado para ter acesso à vítima, detectar o que está errado, providenciar assistência de emergência e somente quando necessário, imobilizar a vítima, sem ocasionar maiores danos.
·         O socorrista é normalmente a primeira pessoa treinada a entrar em contato com a vítima. Atualmente o socorrista tornou-se parte importante do sistema de saúde e os cuidados por eles prestados, reduzem o sofrimento e diminuem o número de sequelas ocasionais, salvando muitas vidas.

ATRIBUIÇÕES DO SOCORRISTA

        A primeira atribuição do socorrista no local da emergência, é com a sua própria segurança e da equipe. O desejo de ajudar as pessoas que têm necessidade de atendimento pode favorecer o esquecimento dos riscos no local. Antes de o atendimento começar a pessoa denominada vítima. No momento que o socorrista inicia a atuação, a vítima torna-se paciente. O socorrista tem quatro deveres relacionados ao paciente, que devem ser cumpridos no local da emergência:
a) Ter acesso ao paciente com segurança, utilizando os equipamentos necessários, de acordo com a situação;
b) Identificar o que está errado com o paciente e providenciar a assistência de emergência necessária utilizando os materiais e equipamentos corretos;
c) Elevar ou mobilizar o paciente apenas quando for preciso e realizar tal procedimento sem ocasionar lesões adicionais;
d) Transferir o paciente e as informações pertinentes para a equipe dos Bombeiros ou SAMU.

RESPONSABILIDADES DO SOCORRISTA

a)      Controlar o local do acidente de modo a proteger a si mesmo, a sua equipe, o paciente e prevenir outros acidentes;
b)      Ter acesso ao paciente, mesmo que ele esteja rodeado pela multidão preso no interior do veículo ou no interior do edifício;
c)      Identificar o que está errado com o paciente, utilizando-se das informações obtidas no local e pela avaliação inicial à vítima;
d)     Fazer o melhor possível dentro de sua capacidade, proporcionar uma assistência de emergência nos limites do seu treinamento;
e)      Decidir quando os requisitos de segurança ou de assistência exigem a mobilização ou mudança na posição ou local do paciente. O procedimento deve ser realizado com técnicas que minimizem a possibilidade de lesões adicionais;
f)       Obter ajuda do pessoal presente no local da emergência e controlar suas atividades;

g)      Auxiliar o pessoal do resgate no local da ocorrência e trabalhar segundo sua orientação.
http://www.destakcursosdf.com.br/socorrista/8-1o-socorros-em-caso-de-desmaio

Feliz Aniversário!